segunda-feira, 25 de junho de 2018

AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: RECORD
ISBN: 9788501114099
GÊNERO: ROMANCE
PUBLICAÇÃO: 2018
PÁGINAS: 490
SKOOB

Sabe aquele livro que você não dá a mínima, não conhece nada e ele entra ao acaso na sua vida? Pois então, foi o caso de Asiáticos podres de ricos, de Kevin Kwan. Da mesma forma que foi com a leitura recente de Vacas, o livro de Kevin não me despertara nenhuma curiosidade até pelo fato de não saber mais informações sobre ele. Quando me foi oferecido, dei uma olhada na página dele do Skoob e descobri que ele teria uma adaptação cinematográfica. Apenas isso. Mas como não se nega livro nem leitura, decidi pegá-lo e logo embarquei nessa viagem. E que viagem.

Quando Rachel Chu chega a Cingapura de braços dados com o namorado, o professor charmoso Nicholas Young, para acompanhá-lo ao casamento de seu melhor amigo, ela acha que vai apenas conhecer a família dele e aproveitar os dias de descanso em um dos lugares mais lindos do mundo. Só que Nick não mencionou alguns detalhes, como o fato de que sua família tem muito dinheiro e de ele ser o herdeiro mais cobiçado da Ásia. E o tal casamento… é o evento do ano! Logo, Rachel se vê em meio a eventos sociais, pessoas podres de ricas, fofocas e muito luxo. Ainda por cima, terá que encarar sua sogra, uma mulher que talvez não queira que seu filho se case com ela. Como Rachel lidará diante de tanta pressão?

Asiáticos podres de ricos é o tipo de livro que começa timidamente, mas quando você vê está literalmente viciado. Como eu não tinha muita dimensão e nenhuma expectativa quanto à leitura, o envolvimento foi rápido e surpreendente. Rachel é uma personagem madura e decidida no que quer. Gostei da personagem desde o princípio. Bem-sucedida, mantém um relacionamento estável com Nicholas, que, por sua vez, decide convidar a namorada para ir a Cingapura comparecer ao casamento de seu melhor amigo e conhecer sua família. Rachel se mostra empolgada como qualquer outra pessoa, pois sabe que a viagem pode se tornar algo totalmente diferente do que imaginava. Mal sabia o que a esperava. É válido ver esse choque de realidades sob o ponto de vista da personagem, pois também causa no leitor aquele sentimento de deslumbramento por tudo que aconteceria a partir do momento em que chegara a Cingapura.

Kevin sabe dosar muito bem sua narrativa, transmitindo ao leitor o que está acontecendo e gerando uma certa expectativa pelo que ainda vai acontecer. Isso se mostra muito na escolha em contar os capítulos sob diferentes perspectivas, dando muito mais amplitude para conhecer a história como um todo. E seus próprios personagens se mostram muito bem construídos, fazendo com que, mesmo que sejam protagonistas secundários, ainda assim tenham histórias próprias que se misturam às principais. Cada um deles tem sua trajetória e seus anseios. Claro que estamos falando de uma sociedade onde aparência é tudo, mas por outro lado temos quedas e barrancos, o que torna tudo mais singular. O autor expõe o exterior e interior de cada um deles, dando um caráter mais humano a eles. São figuras caricatas pela pressão que a sociedade os impõe, mas que no íntimo as máscaras caem e mostram quem realmente são.

Uma das histórias paralelas que gostei bastante e que teve tanta importância quanto a principal foi a de Astrid. Prima de Nicholas e it girl da sociedade, a personagem é muito mais que uma simples top model. É uma mulher que tenta levar sua vida da melhor maneira o possível, tentando encontrar seu lugar na vida. Não chega a ser alguém forçado, mas apenas ela. Da mesma maneira, a empatia ocorreu com Colin, que, apesar de toda a riqueza, mostrou-se uma pessoa franca e companheira. Gostei até mesmo de Araminta, a noiva do casamento do ano, que apesar de ter lá suas frescuras, ainda consegue ser divertida. Todos esses personagens tornam a história ainda mais bacana e viciante. E em meio a todo esse luxo Kevin ainda utiliza alguns artifícios narrativos, como expor o valor de um anel comprado por algum personagem ou a reação de uma personagem ao descobrir que outra havia ido com a mesma roupa em sua festa. São esses elementos que enriquecem a história, lembrando livros como Gossip Girl com uma pitada de Downtown Abbey, principalmente pelas indiretas (com toda a classe, é óbvio!).

Nem preciso dizer que amei, não é mesmo? Apesar disso, o livro poderia ter sido um pouco melhor se não fosse pelo final. Chega um determinado momento em que temos dimensão de qual vai ser o caminho optado pelo autor e ansiamos por aquilo. No entanto, Kevin incluiu algumas coisas de última hora que não fizeram o menor sentido, deixando a conclusão até meio forçada. Da mesma maneira, partindo do princípio que toda ação gera uma reação, esperei pela consequência até demais. Ou seja, o livro deixou algumas pontas soltas no ar, deixando-me um pouco decepcionado. Mas não desmereceu o envolvimento que tive com a história nem o lugar especial que ele vai ocupar na minha estante a partir de agora. Ah, e durante a leitura tinha apenas um sentimento: o único consolo de terminar aquela leitura era saber que viria o filme, pelo qual já estou contando os dias pelo lançamento!

Sobre o autor
Lucas Kammer Orsi
Lucas Kammer Orsi Estudante de História. Vê nos livros uma maneira de fugir da realidade e encontrar um pouco de aconchego do cotidiano tão corrido. Potterhead, se emociona fácil com romances, mas não deixa de lado um bom suspense, de viver uma aventura e dá gargalhadas com um chick-lit. Está sempre com suas séries atrasadas, mas isso não o impede de sempre começar mais uma. Amante da música pop, é grande fã de Taylor Swift.


Deixe uma resposta

    Comentários no Facebook