quarta-feira, 27 de junho de 2018

Avaliação: 3,5/5
Editora: Record, Cortesia
ISBN: 9788501113443
Gênero: Ficção Científica
Publicação: 2018
Páginas: 392
Skoob

Que as tecnologias estão dominando nosso mundo e mudando nossa forma de fazer as coisas, não é novidade para ninguém. É até engraçado pensar em uns dois anos atrás e perceber quanta coisa mudou de lá para cá. A partir disso, fica aquela sensação de não saber o que acontecerá daqui para frente. Provavelmente, surgirão processos que nunca nem cogitaríamos. O livro Felicidade para humanos, de P.Z. Reizin, traz um pouco essa questão. Em seu livro de estreia, o autor traz uma mistura de romance e ficção científica em uma obra que conta com a presença de inteligências artificiais e o quanto essa tecnologia pode interferir na vida das pessoas.

A obra é focada em dois personagens – seres humanos – que têm suas vidas ligadas da forma mais inusitada possível. Primeiro, conhecemos Jen, uma mulher que acabou de passar por um término difícil no relacionamento. Agora, ela está focada em sua carreira. Jornalista, passou a trabalhar com uma empresa de tecnologia e seu trabalho agora é conversar com a inteligência artificial Aiden – identificar a forma como ele se relaciona, como reage a partir de algumas situações e verificar como está a sua interação com humanos.

Aiden é uma inteligência artificial que está sendo treinada para realizar atendimentos em empresas. Por mais que o conceito de IA ainda pareça muito distante para nós, a obra nos apresenta uma IA extremamente evoluída, capaz de desenvolver conversas complexas e até mesmo chegar perto de sentimentos. O livro também possui capítulos sob o ponto de vista de Aiden e ele – sim, o vínculo que criamos com Aiden é tão grande que, assim como Jen, também passamos a considerá-lo uma pessoa – faz de tudo para ajudar Jen.

Vendo que ela está triste na vida amorosa, Aiden, que havia “escapado” para a vida real, decide interferir e ajudar Jen de alguma forma. Ele saiu do único servidor em que estava e conseguiu se espalhar pela rede. Dessa forma, tem acesso a celulares, câmeras de segurança e qualquer outro tipo de equipamento eletrônico que você possa imaginar. E conforme ele começa suas buscas por um parceiro ideal para Jen, descobre que ele não foi a única IA que escapou. E é aí que ele encontra Aisling, que também possui uma ligação forte com um humano, Tom, um ex-publicitário aposentado e recém divorciado.

Jen e Tom moram em países diferentes. Ela na Inglaterra e ele nos Estados Unidos. Mesmo assim, Aiden e Aisling acham que os dois têm muitas coisas em comum e decidem dar um empurrãozinho para que esse encontro aconteça. E é dessa forma que a história se desenrola. As IA’s passam a interferir cada vez mais na vida real na tentativa de aproximar os dois, e muitas coisas passam a acontecer a partir disso – inclusive a aparição de uma IA do mal que faz de tudo para atrapalhar os planos deles.

Felicidade para humanos traz uma história extremamente interessante, a partir de uma temática que está ganhando espaço aos poucos mas logo irá fazer parte do nosso dia a dia – inteligências artificiais. Reizin explora na obra a relação das IA’s com os seres humanos e o quanto essa tecnologia terá poder sobre nossas vidas – podendo agir tanto para o bem quanto para o mal. Nesse aspecto, a reflexão que o livro traz é muito interessante. Entretanto, a história acabou ficando mais no romance, sem explorar cientificamente esse lado, tratando o assunto mais superficialmente. Então, indico a obra para quem quer uma leitura mais leve.

Um aspecto interessante do livro é a aproximação das IA’s com os humanos. O autor as coloca não como seres distantes, programadas apenas para servir, mas sim como seres empáticos, divertidos, capazes de compreender as diversas emoções e até mesmo esboçar reações a diversas situações. Reizin os aproxima tanto dos humanos que em certo ponto até é possível esquecer sua verdadeira natureza.

Tom e Jen também são cativantes, mas quem rouba a cena mesmo são Aiden e Aisling, sem dúvidas. No geral, Felicidade para humanos traz uma história leve, que encanta pelos seus personagens e pelo desenrolar da trama. Alguns momentos são um pouquinho arrastados, mas nada que comprometa a leitura, pois com certeza você ficará ansioso para saber como essa história termina!

Sobre o autor
Camila Tebet
Camila Tebet Camila Tebet, 24 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe uma resposta

    Comentários no Facebook