Avaliação: 5/5
Editora: Galera Record/Cortesia
Gênero: Fantasia/Jovem Adulto
ISBN: 9788501401403
Publicação: 2015
Páginas:
 518
 Skoob
Atenção: Essa resenha contém spoilers do livro anterior!

Depois dos eventos de Coroa da meia-noite, Celaena viaja a Wendelyn com a missão de matar o rei e seus descendentes a fim de dar o domínio desse território a Adarlan. Porém, ao chegar lá, ela entra em uma maré de apatia e se deixa levar por esse desânimo até ser buscada por Rowan, que a leva à fortaleza para encontrar com a tia féerica Maeve. Celaena sabe que se quiser cumprir a promessa feita a Nehemia deve cair nas graças da tia a fim de ter suas perguntas sobe as chaves de Wyrd respondidas, então quando a tia propõe que ela treine com Rowan a fim de controlar a magia de seu lado féerico ela aceita.

Ao mesmo tempo, em Adarlan chega Aedion, primo de Celaena – ou melhor dizendo, Aelin – que é também o general do exército de Adarlan, e que ambos, Chaol e Dorian detestam. Chaol, desconfiado de Aedion – principalmente após as revelações de Celaena – passa a segui-lo e investigar seus passos. Ao mesmo tempo, começa a pesquisar todas as informações que Celaena deixou pra trás e fica cada vez mais abalado com o que descobre sobre a magia, os portais de Wyrd, os rebeldes e o Rei. Já Dorian, agora com sua amizade com Chaol abalado, se sente perdido, ainda mais tendo que lidar com uma magia imprevisível. Decidido a arrumar alguma maneira de controlá-la, ele começa a pesquisar sobre o assunto, até conhecer Sorscha, curandeira do palácio que o ajuda nessa empreitada.

Além disso, ainda conhecemos uma nova personagem que seguimos os passos: Manon, uma bruxa cruel Dentes de ferro que, junto com seu clã, aceitam ajudar ao rei formando um exército com feras aladas. Para isso ela precisa escolher e treinar com uma delas no Desfiladeiro Ferian. 

É nesse cenário que embarcamos em Herdeira do Fogo, terceiro livro da série Trono de Vidro. Aqui, temos uma evolução muito maior no curso principais das coisas. Finalmente conhecemos mais sobre a magia há tanto morta em Adarlan. Eu estava ansiosa pra ver Sarah desenvolver mais sobre o assunto e não fiquei decepcionada. É fascinante acompanhar os passos de Celaena enquanto treina com Rowan e ele a faz enfrentar seus próprios medos, seu passado e seus traumas. É aqui que conhecemos Celaena mais a fundo, que descobrimos novas facetas dela e vemos ela desabrochar, aceitar seu outro lado, amadurecer. É aqui também que nos apaixonamos por Rowan, o féerico de 200 anos que é uma Celaena masculina, só que com muito mais força (músculos e magia féerica) e uma personalidade mais turrona. 

Amei ver Dorian seguindo em frente e finalmente conhecendo quem o pai realmente é. Esperava que ele ao invés de suprimir aprendesse a usar e controlar a magia dele, mas ainda tenho esperanças de que nos próximos livros isso acontecerá. Outro que me surpreendeu muito foi Chaol – não exatamente no bom sentido. O homem é tão leal que mesmo sabendo tudo que ele sabe – e fazendo o que ele faz (não posso falar é spoiler!) ainda fica receoso de tomar parte em alguma coisa e decidir de que lado está. Não que ele apoie o Rei, mas tem medo por Dorian, e toma suas atitudes pensando em protegê-lo. Só que essa indecisão dele acaba comigo e quero muito que ele decida logo de que lado está! Há também Aedion que surpreende demais, e pega todo mundo de surpresa! E Manon que é cruel, sem escrúpulos, mas fascinante!

Sarah ainda não perdeu a mão na escrita e está melhor do que nunca. A história continua envolvente, cheia de reviravoltas e revelações surpreendentes e o livro ainda nos deixa de queixo caído. Porém, o livro perde um pouco da fluidez por termos quatro núcleos diferentes nele – ainda mais em lugares e situações diferentes. Acompanhar Celaena, Dorian, Chaol e Manon, pode ser um pouco confuso para algumas pessoas, porém pra mim foi gratificante já que pude conhecer mais de perto os personagens e acompanhar seu desenvolvimento. Acredito que esse seja o motivo de tantas pessoas não terem gostado deste volume da série. Outro fator que pode ter causado isso é o fato de esse ser um livro pra preparar o terreno para os próximos acontecimentos – que com certeza serão bombásticos. Aqui acompanhamos mais o desenvolvimento da história e dos personagens – a ação mesmo,  a luta contra o Rei que tanto queremos ver provavelmente só no próximo volume. 

O que me encanta é que a autora consegue não fazer a famosa “encheção de linguiça”, o que acontece muito com séries longas. Em Trono de Vidro são muitos acontecimentos, muitas vertentes para a autora explorar e ainda tem muita coisa pra acontecer, e a autora tem uma mente fantástica, então acho que não vai deixar esse suspense cair.

Herdeira de fogo, como os outros livros, é uma história de tirar o fôlego. A autora só prova cada vez mais como é genial em suas histórias e como tem habilidade para construir um enredo inteligente e original. Fico cadas vez mais fascinada com esse universo e seus personagens e não posso esperar pra ler Queen of Shadows, que provavelmente será lançado só no ano que vem =(.

Por Larissa Gaigher
sábado, 2 de janeiro de 2016

Avaliação: 4/5
Editora: Bertrand Brasil/Cortesia
ISBN: 9788528620344
Gênero: Romance
Páginas: 476
Publicação: 2015
Skoob

Sou admirador do trabalho de Nora Roberts, sem sombra de dúvidas. Adoro seus romances, seus mistérios e seus personagens. Há alguns anos, quando comecei Doce Vingança, primeiro livro que li da autora, nunca imaginei que me tornaria fã de carteirinha. Por mais que chegue em um determinado momento e você já saiba exatamente a fórmula da história, não é por menos que você deixa de gostar. Nora sabe cativar e com A testemunha não foi diferente!


Elizabeth Fitch leva uma vida repleta de regras e extremamente organizada. Sua mãe, médica, determina tudo aquilo que deve fazer, seu futuro e até mesmo as pessoas com as quais deve se relacionar. Aos 16 anos, nunca teve a oportunidade de ser uma adolescente normal. Chega o ponto que cansada disso, decide dar um basta. Após uma briga feia com sua mãe, vai para o shopping e lá encontra Julie Masters, colega de sua escola. Juntas, fazem com que Elizabeth tenha momentos de qualquer garota de sua idade. Acabam se deixando levar por uma noite, vão parar em uma boate, onde Elizabeth se encanta por um homem galante dotado de um sotaque russo. De lá, vão a uma linda mansão em Lake Shore Drive, sem saber que o lugar alteraria para sempre sua vida. 

Abigail Lowers é uma mulher misteriosa que se muda, doze anos mais tarde, para o interior do Arkansas. Logo acaba despertando a curiosidade da comunidade ao redor, inclusive do delegado, Brooks Gleason. Intrigado, se surpreende com o jeito que Abigail leva a vida, e passa a se questionar cada vez a natureza e origem da moça. Juntos, acabam se envolvendo. Porém, Abigail, infelizmente, aprendeu a não confiar em ninguém, e isso influenciará sua relação com Brooks. Não sabe o que fazer e como lidar. Por outro lado, Brooks não tem noção do que está se metendo.

Como disse no começo, as narrativas de Nora tem sempre uma “fórmula pronta”. Mas não é por isso que você não deixa de gostar. A autora sabe construir uma boa história e aqui ela prova mais um pouco de seu talento. A sinopse não dá muito a dizer sobre o que esperar da história e isso acabou sendo um ponto extremamente positivo durante o desenrolar. O livro é dividido em partes, sendo que a primeira, quando iniciei a leitura, fluiu de tal maneira que não conseguia parar a leitura. A história tem ritmo e só tinha a aumentar cada vez que as páginas avançavam.

Abigail e Elizabeth são a mesma pessoa e o que acontece que acaba unindo-as é algo que não vou contar aqui na resenha, mas deixo para quem ler descobrir. Porém, aviso que curti muito a pegada da autora em abordar esse tipo de universo. No entanto, o que poderia ser muito bom acabou sendo deixado um pouco de lado. A parte do mistério ficou em segundo plano, restrito a algumas passagens e ao desfecho da história, considerando que este ainda é rápido demais. Isso acabou me desagradando, de certa maneira.

Apesar disso e considerando que o foco é o romance, este, por sua vez, funciona de maneira muito positiva. Não gostei muito das atitudes de Brooks no inicio da história, mas com o passar das páginas, passei a gostar do personagem. Abigail, por outro lado, se mostrou uma protagonista forte e extremamente diferente do que eu imaginava. Apesar do trauma que sofrera, soubera dar a volta por cima de tal maneira que fiquei até abismado.

A testemunha não se tornou meu livro favorito da Nora Roberts, mas cativou e mostrou o talento da autora mais uma vez. É difícil criticar a história de uma mulher que já escreveu mais de 200 histórias, porém algumas coisas poderiam ter sido melhores. Shippei muito o casal, dei boas risadas com a família de Brooks e adorei o Bert! Leiam e se deliciem!

Por Lucas Kammer Orsi

Iniciamos o ANO NOVO falando das melhores leituras de 2015.  No ano passado a equipe do blog Viagens de Papel também se propôs a classificar o TOP5 do ano – confira aqui! 
 
Relembrar  o que fizemos ao longo de 365 dias é também uma forma de planejarmos o que faremos adiante, um caminho incerto, mas sempre uma oportunidade… Que 2016 traga bons frutos para todos, novas conquistas e desafios. Esperamos que nossos leitores continuem sempre conosco, sem vocês não haveria sentido compartilharmos nossas opiniões. Enfim, só temos a agradecer a todos o carinho e as visitas! 
 
Então, vamos ao que interessa? Confira abaixo quais foram nossos livros favoritos do ano:

Anne Caroline Anderson


1. Do que é feita uma garota, de Caitilin Moran (Companhia das Letras)
2. A Ponte de Haven, de Francine Rivers (Verus)
3. Dossiê Moscou, de  Geneton Moraes Neto (Geração Editorial)
4. Delicioso café de cupcakes, de Mary Simses (Paralela)
5. Daisy está na cidade, Rachel Gibson (Geração Editorial)

Em 2015, muitas leituras me marcaram (sempre marcam né gente?!). Mas uma delas, em especial: “Do que é Feita uma Garota“, de Caitlin Moran, me fez pensar e repensar em muitos aspectos de minha vida. Nossa heroína é adolescente Joanna de apenas 14 anos. Para sua tão pouca idade, recebe muitas tarefas, a maior delas? De ser praticamente mãe de alguns de seus irmãos mais novos. No decorrer de seu amadurecimento ela vai criando e desenvolvendo diversas formas de lidar com a adolescência e mais tarde com uma vida adulta repleta de alcool, desventuras amorosas e liberdade. O que aprendi? Que por mais que nossa vida pareça pré-determinada e sem rumo, há sempre a possibilidade de nos reinventarmos e sermos quem quisermos. Nem sempre o que vemos e sentimos corresponde a realidade. É preciso que encontremos o ponto onde nos perdemos e refazer nossos objetivos e projetos. O que a Jô nos ensina? Que a nossa liberdade é de nossa responsabilidade. O rumo é nós que devemos decidir.


Camila Tebet

1.  Capitães da areia, de Jorge Amado (Companhia das Letras)
2. O sol é para todos, de Harper Lee (José Olympio)
3. O diário de Anne Frank,  de Anne Frank (Recod)
4. Capitolina (Companhia das Letrinhas)
5. Cova 312, de Daniela Arbex (Geração Editorial)

Capitães da Areia foi uma das primeiras leituras que fiz no ano. Eu estabeleci no começo de 2015 o projeto “Lendo mais clássicos em 2015”, que foi um verdadeiro fracasso. Ainda assim, me trouxe a leitura dessa obra maravilhosa. Eu nao sabia direito o que esperar, só sabia que era um livro com muitos comentários positivos. Foi uma leitura que me emocionou muito e que apresenta um lado desconhecido e ignorado por muitos. O livro, de 1937, fala sobre um grupo de jovens pobres, que viviam em um trapiche da Bahia. Sem ter o que comer, sem ter educação ou uma família, eles praticavam alguns roubos para sobreviver. O livro aborda o preconceito e o descaso do governo e da população com essas crianças, que no fim das contas só buscavam alimento e proteção. A história é humanizada por conta das relações de amizade, lealdade e companheirismo dos capitães da areia. A obra apresenta críticas à sociedade, à igreja, à imprensa, ao governo, entre outros, pois mostra que enquanto todos estavam julgando e criticando os jovens capitães da areia, eles tinham motivos sérios para estarem naquele local e tinham que encontrar maneiras de sobreviver. Em diversos momentos do livro o autor emocionou com passagens da inocência infantil, que busca amor, diversão e amizade. É uma história linda, que propões diversas reflexões e ainda muito atual. Um clássico de leitura fácil, que deveria ser apreciado por todos.


Larissa Gaigher

1. Série Trono de Vidro, de Sarah J. Maas (Galera Record)
2. A filha da Floresta, de Juliet Marillier (Butterfly)
3. A Rainha Vermelha, de Victoria Aveyard (Seguinte)
4. O nome do vento, de Patrick Rothfuss (Arqueiro)
5. Aristóteles e Dante descobrem os segredos do universo, de Benjamin Alire Sáenz (Seguinte)
 
 
A Série Trono de Vidro, escrita por Sarah J. Maas é tão perfeita que não consigo nem escolher um livro da série que seja melhor. Essa é uma daquelas séries que surpreende pela profundidade que o autor dá a seus personagens e pela habilidade que demonstra na construção de mundo e de enredo. Além de que é uma dessas que só melhora com o passar dos livros. O enredo do primeiro livro por si só já daria uma trama extraordinária – a assassina mais famosa e letal de um reino que acaba de sair de uma das piores prisões de trabalho forçado vai entrar em uma competição com outros 22 assassinos pela posição de campeã do Rei, este sendo o rei mais cruel que já se viu. Porém, a autora vai além, ela se aprofunda no enredo nos mostrando magia, mitologia, conflitos políticos, personagens multifacetados e complexos e cria subplots incríveis que só nos faz ansiar mais pelo próximo livro. A autora é mestre em criar reviravoltas de nos deixar de queixo caído e mesmo ao enrolar levemente na história ela nos entretém tanto que nem notamos. Sarah sabe desenvolver uma boa história, rica em detalhes, com uma narrativa inteligente e um enredo magnífico. Não é a toda que é o meu (ou meus, se formos considerar todos os livros da série) favorito do ano!


Lucas Kammer Orsi

1. Dom Casmurro, de Machado de Assis (Saraiva)
2. Como eu era antes de você, de Jojo Moyes (Intrínseca)
3. A balada de Adam Henry, de Ian McEwan (Companhia das Letras)
4. Entre o agora e o nunca, de J. A. Redmerski (Suma de Letras)

5. Apenas um dia, de Gayle Forman (Novo Conceito)
 
Nos últimos tempos, Machado de Assis fez parte significativa da minha vida. Para quem não sabe, curso História e no ano passado li o livro Machado de Assis, historiador escrito por Sidney Chalhoub. Nele, o autor analisa a trajetória de Machado enquanto funcionário público, mas também traz reflexões acerca de suas obras, como Helena e o próprio Dom Casmurro, fazendo referências diretas ao contexto no qual foram produzidas. Foi aqui que fiquei com curiosidade de conhecer mais a respeito dos livros do autor. Nesse mesmo ano, ganhei de amigo secreto um exemplar de Dom Casmurro. Li no início desse ano e pude, enfim, fazer juz aos comentários que ouvira sobre a obra. Para quem não conhece, o livro conta a história de Bentinho e sua paixão por Capitu, uma das personagens (se me permite dizer) mais enigmáticas que já conheci. Além disso, temos a presença de Escobar, que dá um toque a mais ao triângulo mais comentado da literatura brasileira. A narrativa se passa na cidade do Rio de Janeiro, no período do Segundo Império. Machado tem uma escrita peculiar, repleta de ironia, mas que também traz boas reflexões. Os personagens são bem construídos e a trama é bem desenvolvida. Além disso, deixa o leitor com a pulga atrás da orelha: afinal, Capitu traiu Bentinho ou não? Não darei spoilers sobre, mas posso avisar que o autor te deixará bem confuso sobre.
 

Maria Luiza de Paula (Mallu)

1. Quem é você, Alasca?, de John Green (Intrínseca)
2. Um Conto dos Irmãos Grimm, de Adam Gidwitz (Galera Record)
3.  Abandonado, de Vinícius Pinheiro (Geração Editorial)
4.  Mulheres de Cabul, de Harriet Logan (Geração Editorial)
5.  Assassinato no Expresso do Oriente, de Agatha Christie (Nova Fronteira)

Acredito que a maioria das pessoas começaram a ler os livros do John Green por “A Culpa É Das Estrelas”, mas eu resolvi optar por um caminho diferente. O título “Quem É Você, Alasca?” já havia atraído meu interesse e várias pessoas comentaram dizendo que a história era surpreendente e que não deveríamos julgar pelo fato de pertencer ao gênero Young Adult, que costuma ser recheado de clichês e situações previsíveis. Este livro conta a história de um garoto que vai para o interior do Alabama estudar em um colégio interno. Lá ele faz alguns amigos, entre eles Alasca Young, uma garota dona de uma personalidade fortíssima e um carisma imenso. A forma como John Green descreve a amizade daquele grupo é um dos pontos chaves da história. A lealdade e a cumplicidade que eles possuem uns com os outros me marcou bastante. O autor também foge do clichê de focar apenas em uma história de amor, fazendo o leitor ter uma reflexão sobre o quanto nossas vidas são frágeis e o quanto devemos valorizar aqueles que estão ao nosso lado.



Nara Dias 

1. Persépolis, de Marjane Satrapi (Cia das Letras)

2. O Pianista, Wladyslaw Szpilman (Record)

3. Flora Hen, d Hwang Sun-m (Geração Editorial)
4. Harvey, como me tornei invisível, d Hervé Bouchardi (Pulo do Gato)
5. O Jardim Secreto, d Frances Hodgson Burnett (Salamandra)

Dos 262 livros que li em 2015, tenho acesso a esse número graças ao Skoob, enumerei os 5 melhores. Persépolis da autora Marjane Satrapi ocupa o topo da lista. Essa obra impressiona por tratar da biografia da própria escritora e ilustradora, descrevendo com clareza com doses de ironia e humor, a cultura e tensões políticas vividas por seu país, o Irã. A história é apresentada em quadrinhos em preto e branco, Marjane narra às dificuldades enfrentadas por sua família por causa da opressão política e religiosa do país. Relata a decisão dos pais de envia-la à França aos 14 anos, onde viveu sozinha sua adolescência, passando por fases críticas e escolhas complicadas que quase levaram à morte. Ao retornar ao Irã continua sentindo-se excluída, afinal era uma garota ocidental de volta à sua terra natal.


Patrícia Oliveira

1. Uma praça em Antuérpia, de Luize Valente (Record)
2. A Menina que Contava Histórias, de Jodi Picoult (Verus)
3. Trilogia Mara Dyer, de Michelle Hodkin (Galera Record)
4. Duologia Hopeless, de Colleen Hoover  (Galera Record)
5. O Diário de Anne Frank, de Anne Frank (Record)

Quando um livro se destaca e possui qualidade, classifico com a pontuação máxima, mas há aqueles que história deixa  marcas, são poucos/raros os que se tornam os meus favoritos, esses para mim são os TOPs, os que ocupam o pódio das minhas leituras.  Foi super difícil enumerar a posição dos títulos mencionados acima, mas no fim optei por indicar um nacional – Uma praça em Antuérpia, uma leitura memorável, contemporânea e rica em elementos. No ano de 1916, ao norte de Portugal, nasceram as gêmeas Olívia e Clarice, a mãe faleceu durante o parto, as meninas foram criadas pela a avó materna. O livro narra a trajetória das gêmeas ao longo de décadas, passando por diferentes culturas, já que o impulsiona a trama é fuga da 2ª Guerra Mundial que eclodiu na Espanha em 1939, o trajeto por vários países até a chegada ao Brasil. Entretanto, nem tudo aconteceu como o planejado, alguns sobreviveram, outros não. Luize Valente retratou na narrativa momentos cruciais no desenvolvimento da guerra, os caminhos seguidos pelas irmãs ao longo de anos, a guerra que foi o palco de muitas tragédias… O livro é narrado em primeira pessoa, ora no presente ora no passado, sendo dividido em 73 capítulos curtos e subdividido em partes que marcam o tempo cronológico da narrativa. A autora nos brinda com uma história triste, realista e impactante, um enredo rico e repleto de reviravoltas que promete cativar e deixar o leitor de queixo caído
 


Stephany Guebur

1.  Fahrenheit 451, de Ray Bradbury (Biblioteca Azul)
2. Na natureza selvagem, de Jon Krakauer (Companhia das Letras)
3. Ponte para Terabítia, de Katherine Paterson (Moderna)
4. Quem é você, Alasca?, de John Green (Intrínseca)
5. Serial Killers: Louco ou cruel?, de Ilana Casoy (Dark Side)

Fahrenheit 451 é um clássico da distopia mundial, escrito após a Segunda Guerra Mundial, sendo uma crítica política e social sobre o regime totalitário, onde tudo era controlado pelo governo. O livro conta a historia de Guy Montag, um bombeiro que é casado com Mildred, uma dona de casa que é fanática por televisão e até chama os programas de “família”. Quando Montag conhece Clarisse, sua vizinha de dezesseis anos que começa a fazer perguntas diferentes do que ele está acostumado e ele começa a se perguntar algumas coisas e percebe-se que nunca tinha pensado nisso. Montag queima os livros de quem vai contra a lei e os esconde, e não aquele que apaga o fogo quando precisamos, já que era proibido ter qualquer título em casa. Até que um dia, Montag passa mal e mostra para sua esposa os livros que tem em casa e decide ler alguns. 


Tayara Casemiro 

1.  Dias Perfeitos, de Raphael Montes (Companhia das Letras)
2. Perdido em Marte, de Andy Weir (Arqueiro)
3. Mosquitolândia, de David Arnold (Intrínseca)
4. A Garota no Trem, de Paula Hawkins (Record)
5. A Playlist de Hayden, de Michelle Falkoff (Novo Conceito)
 
Li Dias Perfeitos em uma tacada só, misericórdia que história perturbadora! Me senti até meio culpada por ter gostado tanto, pois a trama é muito fora da casinha. Théo é um completo psicopata que não vê os absurdos que faz, na cabeça dele suas atitudes são corretas, e a situação é tão sinistra que em alguns momentos você até acredita que ele tem razão, mas não! Ele é louco mesmo gente! O livro nos conta a história de “amor” entre Théo e Clarice. Théo é um rapaz que tem problemas para se relacionar com as outras pessoas, seu melhor amigo é um cadáver que ele estuda na aula de anatomia da faculdade. Ele cuida de sua mãe que é deficiente, e leva uma vida isolado das outras pessoas, e das emoções. As coisas mudam quando ele vai a um churrasco onde conhece Clarice, uma jovem desbocada e que leva uma vida sem regras. Théo se apaixona instantaneamente por Clarice, mas a jovem não sente o mesmo por ele, só que Théo não lida muito bem com a rejeição e acredita a todo custo que se Clarice passar um tempo com ele e o conhecer de verdade, ela vai se apaixonar por ele. Então Théo tem a brilhante ideia de sequestrar Clarice, pois assim ele terá todo o tempo do mundo para mostrar para sua amada o quanto ele é um jovem incrível e que a fará feliz. Enfim, Dias Perfeitos é um livro incrível! E é nacional, o que o faz ser melhor ainda. Recomendo demais a leitura e virei fã do autor, foi sem dúvida nenhuma o melhor livro que eu li no ano.
 


Feliz 2016!


Avaliação: 1/5
Editora: Paralela/Cortesia
ISBN: 9788565530651

Gênero: Romance Erótico/Adulto
Publicação: 2015
Páginas: 328
Skoob
Myrna é uma professora universitária de psicologia que está em uma conferência pra lá de entediante – e na qual ela foi massacrada sem dó – quando conhece os meninos da banda Sinners, uma das bandas das quais era mega fã. Mais especificamente Brian Sinclair, o responsável por escrever os melhores riffs de guitarra que ela conhecia, riffs inclusive que usava para seus estudos sobre música nos estímulos sensoriais (ela é professora de sexualidade humana). 

Logo, Myrna aproveita a oportunidade e se vê envolvida em uma conversa com os membros da banda que não poupam esforços em conquistar a professora gata, sem saber que o único pra quem ela tem olhos é Brian. Ele, no entanto, se encontra em um estado deplorável, completamente bêbado após tentar curar mais um de seus corações partidos, e mesmo que tenha interesse, não está no melhor ânimo pra entrar na disputa. Porém, acabou que ele não precisou nem fazer nada para ser o único a ser levado para o quarto de Myrna. 

Como a banda tinha um show na noite seguinte e deixariam a cidade logo depois, ficou subentendido para ambos que seria apenas uma noite de muita (e põe muita nisso) aventura sexual. Até porque a própria Myrna deveria voltar para suas aulas e sua vida e não tinha pretensões de um romance nem tão cedo. Porém uma distração como Brian gostoso Sinclair era muito bem-vinda. E ela usou e abusou dessa distração pelas próximas horas. O problema é que voltar ao mundo real não será tão simples quanto ela planejou, e a aventura deles não será tão facilmente deixada pra tás.

Acesso aos bastidores é o primeiro livro da série Sinners on tour, e começa desde suas primeiras páginas em um ritmo insano e repleto de erotismo do mais cru possível. Já fica um aviso desde agora que esse é um livro explicitamente erótico, e que não há basicamente nada além de sexo do muito depravado do início ao fim. Esclarecido isso, vamos às outras considerações.

Não simpatizei em nenhum momento com a protagonista. Ela é daquelas que tem tanto foco no homem, objeto de seu desejo que nem se mostra. É uma falta de amor próprio que logo no primeiro instante ela nem se importa com o fato de ele estar completamente bêbado, vomitando e aparentemente alheio a ela. E ao longo do livro isso não melhora – o que ficamos sabemos dela são pequenos fatos como sua pesquisa e foco de trabalho e o pequeno detalhe de que já foi casada e por isso tem problemas com relacionamentos – coisa que não foi nada aprofundada no livro, apenas mencionado de passagem como explicação para sua relutância. 

Brian já é um protagonista do qual nunca vemos muito, por motivos de: não existe homem (ou pessoa) assim. Ele é conhecido por ser um romântico incorrigível, que só fica com uma menina por vez e se apaixona por ela em questão de horas, o que o faz ficar com o coração partido sempre. Sério, bastou ele passar meio dia com Myrna pra se apaixonar profundamente por ela. E ela, com seus problemas de relacionamento e aversão ao amor, não é uma combinação nada perfeita pra ele. O fato é que eles continuam em um relacionamento conturbado que dá origem a um romance cheio de altos e baixos e muito, muito sexo (põe um pouco mais de muito nisso).

E o livro fica basicamente nisso. Ele correndo atrás, ela se recusando a um relacionamento emocional e bastante sexo pervertido no meio. Sério, chega uma hora que você cansa de ler o sexo e pergunta quando que a história vai realmente começar a ser desenvolvida. E acreditem, eu sou muito cabeça aberta, acho que em um quarto e sendo consensual, cada um faz o que quer, então acreditem quando digo que não foi a crueza ou a depravação do livro que me espantou, foi a história, ou melhor, a falta dela, e os personagens, e a situação completamente surreal. Basicamente nada me agradou nesse livro a não ser a inversão dos papéis – finalmente um homem que corre atrás de uma mulher e não o contrário – e o fato de Brian aceitar o lado mais pervertido de Myrna ao invés de julgá-la como muitos fariam.

Fora esses dois pequenos detalhes (responsáveis pela única estrela que dei ao livro) não há nada que tenha me agradado no livro. A narrativa é simples, bem genérica, mas mesmo assim fluida. O pano de fundo, apesar de ter certo potencial, foi inexistente ao longo do livro, com exceção dos pequenos fatos meramente citados sobre o passado de Myrna. E a protagonista tem um amor próprio inexistente, coisa que me irritou por demais. Em resumo, o livro não tem nada de crível, é uma situação completamente surreal, com personagens muito mal desenvolvidos e explorados e um excesso de sexo cru. Se você estiver a fim de ler um livro com um erotismo explícito e não tem problemas quanto ao enredo em si, ou com o fato de não ser crível, vá em frente, esse é o livro.

Por Larissa Gaigher

Avaliação: 3/5
Editora: Geração Editorial
ISBN: 9788581301785
Gênero: Fantasia/Jovem Adulto
Páginas: 288
Publicação: 2013
Skoob
As crianças trocadas é o primeiro volume da série fantástica A Guerra dos Fae, escrita pela autora Elle Casey e publicada no Brasil pela editora Geração Editoral. O livro narra a história da jovem Jayne, uma garota que vê sua vida mudar completamente quando descobre que não é uma garota comum e possui uma missão na Terra.
 
Jayne não é uma jovem fácil de se lidar, isso fica muito claro logo nas primeiras páginas do livro. Ela não suporta frequentar o colégio, e não tem uma boa relação com sua mãe, os únicos momentos em que ela se sente bem é quando está ao lado de seu amigo Tony, um jovem que é o extremo oposto de Jayne, mas mesmo assim tem Jayne como sua melhor amiga.
 
Depois de passar por uma situação um tanto quanto estranha, Tony e Jayne acabam decidindo fugir de casa, na verdade Tony convence Jayne a fugir, e a garota por medo de deixar seu amigo sozinho e na emoção do momento acaba concordando em fugir de casa com ele.
 
Os dois acabam indo parar em Miami, e lá conhecem um grupo de garotos que levam a vida nas ruas da cidade. O grupo liderado pelo misterioso Jared é composto por Spike (por quem Jayne tem uma queda instantaneamente), Becky, Chase, Samantha e Finn, todos possuem um passado oculto e formam uma espécie de família onde um cuida do outro.

Continue lendo »

domingo, 27 de dezembro de 2015

Olá pessoal!

Vamos conferir os lançamentos de dezembro do Grupo Autêntica?

A Protegida (The Travis Family #1), de Lisa Kleypas
Uma escolha pode conduzi-la à felicidade… Ou partir irremediavelmente seu coração.

Liberty Jones é uma garota determinada, mas em sua vida pobre e difícil não há espaço para que ela consiga vislumbrar seus sonhos sendo realizados. Seu único consolo é a amizade e o amor que nutre por Hardy Cates, um jovem que possui ambições grandiosas demais para ficarem enterradas na pequena cidade de Welcome. Apesar da atração irresistível que pulsa entre os dois, tudo o que Hardy não precisa é de alguém para atrapalhar seus planos de sucesso, e ele a abandona no momento mais difícil de sua vida: quando a mãe de Liberty morre tragicamente em um acidente; deixando um bebê para ela criar. Mas a vida traz grandes surpresas e Liberty se vê sob a tutela de um magnata bilionário, que irá oferecer muito mais do que proteção à irmã e a ela, mas também revelará uma forte ligação com o passado obscuro da família de Liberty. O que Liberty não espera é ter de lidar com Gage Travis, o filho mais velho do magnata; o rapaz não aprova a presença dela em sua casa e fará de tudo para afastá-la de sua família… Gage apenas esquece de também mantê-la longe de seu coração. 

“Às vezes a vida tem um senso de humor cruel, entregando-lhe aquilo que você sempre quis no pior momento possível…”

Descubra-me (Trilogia Slow Burn #3), de Maya Banks
Duas vidas entrelaçadas nos mistérios de um passado que precisa ser revelado

Há 12 anos, Zack perdeu o amor de sua vida. Sem saber se Gracie morreu ou se ela o abandonou, ele procura qualquer pista sobre o seu paradeiro, tentando pôr um fim ao tormento. Sua carreira no futebol americano foi deixada de lado, pois nada teria mais importância que descobrir o motivo de Gracie ter desaparecido. Empregado pela DSS, a empresa de segurança dos irmãos Devereaux, Zack se torna o braço direito de Caleb e Beau, atento a qualquer informação que o desperte do seu pior pesadelo e traga de volta a sua felicidade.

Há 12 anos, Anna-Grace foi traída pelo homem que havia jurado jamais lhe fazer mal. Escondendo um passado terrível enquanto se mantém sobre a proteção do poderoso Wade Sterling, ela quer apenas se manter longe de todas as memórias que a destruíram por completo: esquecer o homem que a arruinou e que ela um dia havia amado.

Anna-Grace queria esquecer que um dia amou Zack.



Olá pessoal!

Vamos conferir os últimos lançamentos da Editora Sextante?


Clicando na imagem você será redirecionado para o skoob.

Segredos de Nova York, Zoe De Las Cases
Uma aventura de colorir em Nova York para os fãs de Jardim secreto e Floresta encantada.

DESCUBRA OS SEGREDOS DE NOVA YORK

Elegante e dinâmica, Nova York é a capital mundial das pessoas criativas e ambiciosas. Deixe-se encantar pelos espetáculos da Broadway, percorra as imensas avenidas do Brooklyn, admire a Estátua da Liberdade e aproveite a explosão de sabores da gastronomia local.

Esqueça o estresse enquanto enfeita com mil cores a cidade mais cosmopolita do mundo. Inspire-se na energia inesgotável da Big Apple e desperte o artista adormecido em você.

Mulheres, de Carol Rossetti
Em 2014, a ilustradora Carol Rossetti começou a desenhar mulheres diversas para testar seus lápis de cor. Nunca poderia imaginar que suas criações despretensiosas ganhariam o mundo e iriam viralizar na internet a ponto de se tornarem matéria na CNN.

Com um traço característico e frases inspiradoras, Carol quebrou tabus e espalhou uma mensagem que ecoou em mulheres do mundo todo: somos fortes, merecedoras de respeito e especiais do jeito que somos, independentemente de opiniões e julgamentos alheios.

Agora, essa mensagem ganha o formato de livro e inclui textos sobre os temas centrais abordados em suas ilustrações, como corpo, estilo, identidade, relacionamentos e superação. 

“Existem mulheres negras, brancas, morenas, latinas, asiáticas, indianas, indígenas. Existem engenheiras, donas de casa, prostitutas, senadoras, artistas, executivas, atrizes. Há mulheres cegas, surdas, mudas. Mulheres bipolares, deprimidas, ansiosas.

Existem heterossexuais, lésbicas, bissexuais, arromânticas, pansexuais, assexuais. Mulheres cristãs, ateias, budistas, islâmicas.

Há mulheres que não são ativistas, que nunca ouviram falar em feminismo, que nunca discutiram racismo. Mulheres que lutam de formas diferentes, a partir de ideias que não conhecemos. Existem mulheres que têm vergonha de compartilhar suas escolhas por medo de serem julgadas. E mulheres que discordam de tudo isso que eu disse até aqui.

Cada uma tem sua própria história, e acredito que todas elas merecem ser ouvidas e representadas. Minha abordagem será abrangente, convidando todos os que dividem comigo essa ideia de liberdade a celebrar a diversidade do ser humano.”

Turma da Mônica – livro de colorir, de Mauricio de Sousa
Mergulhe no incrível universo criado por Mauricio de Sousa e aproveite a oportunidade de fazer parte da turminha mais querida do Brasil. Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali e seus amigos esperam por você para ganhar vida em mais de 40 ilustrações. Solte sua imaginação e leve ainda mais alegria ao mundo dos personagens que há quatro gerações tornam a nossa vida mais divertida.

Mulheres em ebulição, de Julia Holland
Baseado em estudos e pesquisas científicas, Mulheres em ebulição faz um raio X da vida e da saúde da mulher, abordando temas como TPM, sexualidade, casamento, envelhecimento, menopausa, anticoncepcionais, reposição hormonal, relação entre comida e humor, importância do sono, terapias naturais e depressão. Especializada em psicofarmacologia e com mais de 20 anos de experiência clínica, Dra. Julie Holland afirma que a variação de humor que toda mulher vive – um dia cheia de energia, o outro se sentindo a pior das mortais – é uma característica feminina básica que não deve ser anulada com remédios nem encarada como um problema a ser resolvido. A autora analisa a fundo esta questão e discute os prós e contras do uso de medicamentos, mostrando quando eles são indicados e quando só pioram a situação. Além disso, ela traz informações detalhadas sobre como os hormônios influenciam nossas decisões, nosso comportamento e nossos relacionamentos. A variação de humor é um indicador poderoso de quem somos e do que queremos. Quando anulamos nossa emotividade, abrimos mão de uma parte importante de nós mesmas. E quando aprendemos a compreendê-la, podemos fazer dessa aparente fragilidade a maior fonte de nossa força.

Livro de Colorir – Mauricio de Sousa 80 anos, de Mauricio de Sousa
Para comemorar os 80 anos de Mauricio de Sousa, reunimos neste livro os mais queridos e carismáticos personagens de quadrinhos do Brasil. Dê asas à imaginação e crie versões exclusivas de Penadinho, Marina, Louco, Astronauta, Franjinha, Tina, Chico Bento, Mônica, Cascão, Mingau, Jotalhão, entre muitos outros.
As páginas vêm com um picote para você destacar e exibir sua obra de arte onde quiser! Você ainda vai descobrir curiosidades sobre os personagens e saber um pouco mais sobre a história de cada um.
Está esperando o quê? Pegue seus lápis de cor, suas canetas coloridas e mãos à obra! É diversão que não está no gibi.

O Alquimista, de Paulo Coelho
378 semanas na lista de mais vendidos do The New York Times.
Quando você quer alguma coisa, todo o Universo conspira para que você realize seu desejo.
De tempos em tempos, surge um livro capaz de mudar para sempre a vida de seus leitores. “O Alquimista” é um deles.
Com mais de 65 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, o mais famoso título de Paulo Coelho já se estabeleceu como um clássico moderno, atemporal e universal, que segue fascinando públicos cada vez maiores, de diferentes gerações.
Simples, sábia e inspiradora, esta história refaz os passos de um pastor da Andaluzia que viaja para o deserto egípcio em busca de um tesouro enterrado nas Pirâmides.
O que começa como uma jornada para encontrar bens materiais torna-se uma descoberta das riquezas que escondemos dentro de nós mesmos.
As belas lições que Santiago aprende ao longo do caminho nos falam da sabedoria de ouvir o que diz o coração, de ler os sinais com que deparamos ao longo da vida e, acima de tudo, da importância de seguir os nossos sonhos.
quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Sherlock é, definitivamente, um dos mais famosos detetives desde a época em que foi criado em 1887, pelo ilustre Sir Arthur Conan Doyle. Desde então, as obras do autor já foram reimpressas e reeditadas inúmeras vezes, e, inclusive, adaptadas de todas as formas – tanto para o cinema quanto para TV. A verdade é que as histórias protagonizadas por Sherlock Holmes têm um apelo muito grande ao público e têm, como costumam dizer, “muito pano pra manga”, o que atende bem a indústria cinematográfica. Tanto que em 2010 o canal BBC resolveu investir em mais uma adaptação dessas aclamadas histórias. Apenas com um pequeno diferencial: a trama se passa nos dias de hoje.


Dr. Watson acaba de voltar a Londres devido a um ferimento a bala enquanto servia no exército na guerra do Afeganistão e precisa de alguém para ampará-lo. Além de ter ficado com sequelas do acidente – um coxear que o obriga a usar uma bengala e uma depressão – ele se encontra desempregado e sem condições de pagar um aluguel sozinho, fato que o leva a procurar um colega de quarto e, consequentemente, a conhecer Sherlock Holmes.

Sherlock é um detetive consultor para casos extremos da Scotland Yard, e nos horários vagos é um estudioso – de qualquer coisa útil e interessante. Ele é um homem excêntrico, com manias peculiares e com uma personalidade difícil – o que leva a maior parte das pessoas a não gostar dele. Sem falar que sua interessante habilidade de desvendar a vida inteira de uma pessoa baseado em pequenas observações assusta todos que o conhecem. Porém, ao contrário da maioria, Watson vê em Sherlock um homem intrigante, difícil de desvendar, mas ainda assim uma companhia agradável. Logo, os dois trabalham juntos para resolver casos de homicídios e enfrentar o inimigo mortal de Sherlock: Jim Moriarty. 

Em questões de trama, a série consegue ser bem fiel aos fatos principais das histórias. Há apenas uma adequação de instrumentos e cenários com relação ao século em que se passam – afinal a história foi pensada e desenvolvida há mais de 100 anos e a tecnologia hoje é outra. Porém, achei gratificante ver Sherlock, com a mesma personalidade pensada pelo autor, lidando com computadores, celulares e afins. Aliás, esse é um dos fatos mais instigantes da série. Afinal, se pararmos pra pensar não é uma história nova, e a maioria de nós já a conhece, então o risco de descaracterizar o personagem e ter uma série fracassada eram muito grandes. Porém os produtores tiveram sucesso em adequar o personagem nesse novo cenário sem deixar ele se perder e foram ainda mais longe trazendo elementos novos e instigantes à história.

A filmagem, a fotografia, os figurinos e cenários são deslumbrantes. Nos mostram uma Londres misteriosa e fascinante, e combinam perfeitamente com o tom dos episódios. Aliás, devo mencionar que a série se encontra na terceira temporada e cada uma delas conta com três episódios de cerca de 1h30 de duração, o que funciona muito bem para a construção das histórias. Meu único pesar é serem tão poucos episódios por temporada e só termos temporadas novas a cada dois anos. 

Mesmo assim, a caracterização dos personagens, o desenvolvimento da história e tudo que os acompanham faz deste um ótimo show que merece ser acompanhado – mesmo que o espaço de tempo entre um e outro nos faça sofrer. No todo, Sherlock é uma série de alta qualidade, que conta com atores incríveis pra viver seus personagens, ótima filmagem e uma perfeita adaptação da história. Não é a toa que essa série é tão bem aclamada pelo público e faz tamanho sucesso mesmo tendo sido lançada há tantos anos.

Assista ao trailer:


Ficha Técnica: 

Título original: Sherlock
Direção: Euros Lyn  e Paul McGuigan
Gênero: Drama /Mistério /Policial
Lançamento: 2010
Duração: 270 min

Classificação: 14 anos

Por Larissa Gaigher 
domingo, 20 de dezembro de 2015

Olá, pessoal!

Vamos conferir os lançamentos de dezembro da Galera Record?

  
Clicando na capa, você será redirecionado para o Skoob.

Submundo (Assassin’s Creed # 8), de Oliver Bowden
Na Londres de 1862, a cidade sente os efeitos da Revolução Industrial e a primeira estrada de ferro subterrânea começa a ser construída. A descoberta de um corpo nas escavações deflagra o início de um dos mais letais capítulos na contenda entre Templários e Assassinos. Trabalhando disfarçado, um Assassino com segredos obscuros e uma missão para derrotar o quartel-general dos Templários. Logo ele será conhecido como Henry Green, mentor de Jacob e Evie Frye. Por enquanto ele é apenas O Fantasma.

O livro do feromonas, de Miguel Campos

35 desafios fenonásticos para compartilhar nas redes sociais 
Para os leitores de Minecraft e Diário de um banana. Sucesso no YouTube e com mais de 2 milhões e meio de seguidores, o youtuber português Miguel Campos estreia no mundo literário. O livro do Feromonas traz 35 desafios e cada um deles tem uma #hashtag correspondente para ser compartilhada no Facebook, Twitter ou Instagram – junto de uma foto ou vídeo do desafio realizado. Miguel Campos, mais conhecido por Feromonas, é um fenômeno no YouTube em Portugal, com mais de dois milhões de seguidores no seu canal Fer0m0nas, onde cria gameplays, sketches e desafios. O canal Feromonas também é adorado pelos brasileiros e pelos fãs de Minecraft de todo o mundo

Enfrentando o dragão (Uma aventura não-oficial de Minecraft  #3), de Mark Cheverton
Gameknight precisa derrotar os monstros da noite para salvar não apenas as vidas digitais dentro do jogo, como também o mundo real. Mas antes precisa descobrir como essas criaturas estão sendo geradas tão rapidamente. Sua jornada o levará, e a seus aliados, a uma nova dimensão, na qual ilhas flutuam no Vazio e uma criatura mortal bate suas asas gigantescas…

E aí, o que acharam dos lançamentos? Deixem suas opiniões nos comentários! o/

Olá, pessoal!

Vamos conferir os lançamentos de dezembro da Geração Editorial?

 
Clicando na capa, você será redirecionado para o Skoob.
A Outra História da Lava-Jato, de Paulo Moreira Leite
Dois anos depois de escrever “A outra história do Mensalão”, o jornalista Paulo Moreira Leite publica “A outra história da Lava-Jato”, novamente pela Geração Editorial. Em 416 páginas, o olhar atento para as conexões nem sempre evidentes entre Justiça e Política, e o mesmo espírito crítico que marca mais de 40 anos de jornalismo, Paulo Moreira Leite define a investigação sobre corrupção na Petrobrás como uma apuração necessária sobre uma empresa que é orgulho dos brasileiros – mas aponta para seu caráter seletivo, que permite que seja usada para fins políticos. A obra conta com uma esclarecedora introdução de 60 páginas e ainda 45 artigos escritos no calor dos acontecimentos. “A outra história Lava-Jato” tem prefácio do professor Wanderley Guilherme dos Santos, um dos mais respeitados cientistas políticos do país. Na contracapa, o livro apresenta uma curta recomendação do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal: “É ler para crer.”

Crise financeira na floresta, de Ana Paula Hornos

Este livro de educação financeira para crianças ensina, de forma lúdica e divertida, a importância do trabalho, do poupar e investir, e o impacto das dívidas e do consumismo. Traz conceitos sobre empreendedorismo e trabalha valores como honestidade e ética. Indicado para crianças de 7 a 12 anos, esta história pode ser útil para qualquer um que queira entender como se forma uma crise financeira e seus impactos. É fundamental ensinar, desde cedo, valores de educação financeira às crianças para que se tornem adultos e cidadãos responsáveis, bem-sucedidos e éticos ao lidarem com o dinheiro.

E aí, o que acharam dos lançamentos? Deixem suas opiniões nos comentários! o/